Este website usa cookies para melhorar a sua experiência. Ao navegar no website aceita que os usemos. Para saber mais, por favor leia os Termos de Utilização.

Partilhar nas Redes Sociais

Crianças cortina
Boa vista requer cuidados constantesBoa vista requer cuidados constantes

Boa vista requer cuidados constantes

A água do mar e das piscinas ou o sol podem levar a lesões oculares nas crianças. Aqui ficam alguns conselhos para lidar com estes imprevistos.

São vários os riscos que existem no verão para os olhos das crianças. A luz solar, o cloro e a própria água do mar e a areia da praia podem provocar lesões oculares nos mais pequenos. Recomenda-se o máximo de prevenção, tornando-se indispensável saber o que fazer caso se revele algum episódio relacionado com estes casos.

Verão é sinónimo de praia e, consequentemente, de banhos e de mergulhos refrescantes. O problema é que, por vezes, a água salgada faz com que os olhos fiquem vermelhos, com ardor, infeções e ainda com a sensação de olho seco. Lavar os olhos com água doce quando se sai da água é o melhor que se pode fazer para reduzir estes sintomas. Não é, de todo, aconselhável esfregar-se os olhos! Pode igualmente usar-se um colírio lubrificante. Não obstante, tal deve ser feito de forma responsável. Se os sintomas desconfortáveis persistirem, o melhor é mesmo consultar um médico oftalmologista.

Os olhos vermelhos nos mais novos é também um sintoma comum quando estes estão nas piscinas. O facto de nadarem de olhos abertos é o grande responsável por esta situação. O contacto com o cloro revela-se problemático, podendo provocar alergia ocular, conjuntivite e não só. O ideal, para evitar esta situação, é que as crianças usem óculos de natação. Mais uma vez, o melhor que se deve fazer caso haja ardor ou algum desconforto é lavar os olhos com água doce.

Atenção à areia…

A areia da praia pode ser igualmente “perigosa” para a pequenada, podendo provocar lesões na superfície ocular. Se os pequenos grãos se alojarem no interior das pálpebras, sugere-se que se lave bem os olhos com soro fisiológico. Colocar uma compressa limpa e fresca sobre os olhos durante cinco minutos também é uma boa opção. Se a irritação ocular persistir, deve procurar-se um especialista da área.

… e aos brinquedos

As bisnagas de água são presença garantida em praias e piscinas neste período estival. Mas os jatos destes brinquedos podem ser, por vezes, demasiado fortes. Ao acertarem diretamente nos olhos das crianças é preciso estar atento às consequências. Pode ser necessário ir a um médico oftalmologista.

Melhor mesmo é a prevenção


A melhor forma de evitar que as crianças contraiam qualquer tipo de doença ocular relacionada com a exposição aos raios UVA e UVB e luz azul nociva é através do uso de óculos de sol adequados. Estes impedem que as radiações ultravioletas possam levar ao aparecimento de catarata, pterígio, tumores palpebrais e oculares, queimadura da córnea e retina, entre outras.
Opte por lentes com proteção UV de 99-100%. Os bebés – mesmo com menos de um ano – podem usar óculos de sol, desde que sejam certificados. Naturalmente, e mesmo que as crianças tenham um bom par de óculos, o ideal é que não estejam expostas ao sol nas horas em que se regista mais calor.