Este website usa cookies para melhorar a sua experiência. Ao navegar no website aceita que os usemos. Para saber mais, por favor leia os Termos de Utilização.

Partilhar nas Redes Sociais

Radiação UV cortina
Fotofobia: quando a luz se torna inimigaFotofobia: quando a luz se torna inimiga

Fotofobia: quando a luz se torna inimiga

A intolerância a ambientes muito iluminados ou a dificuldade em olhar diretamente para a luz podem ser sintomas que aconselham uma visita a um especialista da visão.

Sair de um ambiente muito escuro para outro mais claro pode provocar algum desconforto na visão. Esta é uma situação perfeitamente normal e todos nós já passámos por isso em algum momento das nossas vidas. No entanto, se essa sensibilidade à luz for mais acentuada, o problema pode ser outro e merece toda a atenção. Falamos de fotofobia e, neste caso, não deve dispensar um conselho do especialista da visão.

Causas da fotofobia

Esta sensibilidade acentuada à luz pode comprometer a rotina diária, já que afeta ações simples do dia a dia, como a condução ou o trabalho no computador. Na maioria dos casos, a fotofobia ocorre devido a problemas congénitos, em pessoas que têm olhos de cores claras, ausência de íris ou albinas.

Uma curiosidade: a fotofobia pode acontecer em apenas um dos olhos.

Quando a sensibilidade não ocorre de forma natural, pode ter origem em distúrbios oftalmológicos e neurológicos. No primeiro caso, falamos por exemplo de alterações ao nível da córnea (queratites e lesões), cristalino (catarata), retina (degenerescência macular ligada à idade). No caso das neurológicas, pode ser consequência de alterações do sistema nervoso central, cefaleia ou enxaqueca.

Crónica ou aguda…

Existem dois géneros distintos de fotofobia que devem ser considerados: a fotofobia crónica e a aguda. A primeira atinge o paciente por um tempo prolongado e deriva de outro tipo de doenças ou pode ser uma condição natural, nos casos em que afeta pessoas de olhos claros ou albinas. Embora não tenha cura, o incómodo pode ser minorado. A solução pode passar por umas lentes antirreflexo, anti-UV ou lentes polarizadas, que ajudam a proteger os olhos contra a luz solar e artificial. Tudo depende do aconselhamento do especialista da visão, adequado a cada caso.

Já a fotofobia aguda significa que o paciente apresenta outra patologia mais grave e tende a desaparecer quando a raiz do problema é tratada.

A fotofobia pode ter em conta diferentes fontes de luz:


– Luz solar
– Luz artificial
– Reflexos ou superfícies refletivas
– Brilho da água ou o seu reflexo
– Brilho da neve ou o seu reflexo

Algumas causas da fotofobia: